dalai lama

Ele

Quando eu acordei, ela já tinha passado muita roupa a ferro, depois foi tomar um médio almoço para não termos fome durante a conferência. Viemos de carro, ainda bem porque ainda tinha o pé feito num oito, passamos pela ponte onde tinha sido a corrida, ainda vimos uma senhora idosa a correr e um burro…
Fomos comer a nossa perna de pau e até ajudamos uma outra senhora muito simpática com o seu tabuleiro. De barriga cheia e a sentirmo-nos boas pessoas fomos para o pavilhão.

Depois de esperarmos um pouco sentado ele lá apareceu com a sua comitiva, logo de inicio vimos que o som não estava grande coisa e não percebemos uma grande parte do que ele disse. Mas ficamos com uma ideia do que ele queria transmitir, compaixão, amor e que o efeito é imediato em nós mas não nas outras pessoas. Aquele exemplo que ele deu de ir a sorrir para as pessoas quando passa de carro, e algumas pensarem que ele está a gozar com elas foi engraçado. O que gostei de ver é que para um líder espiritual é muito alegre e é assim que todos deviam ser.

Depois pensamos o que cada um podia lhe perguntar, ela queria saber se o “Sete Anos no Tibete” foi verdade, eu não tinha nenhuma pergunta especial…

Depois demos o nosso passeio de volta para o carro ainda a falar da conferência, fomos ainda ao kebab e acabamos o dia nos braços um do outro num sono pacifico talvez até budista 🙂

Ela

Já nem me lembro de quando ouvi pela primeira vez falar do Tibete.
Não sei em pormenor aquilo que se passa neste momento de ocupação, mas sei que existe desde há muito.
A figura do Dalai Lama sempre me atraiu.
Quando vi que ele vinha cá, tinha que ir à conferência.
E no passado dia 16 de Setembro lá fomos ouvir as suas palavras no pavilhão atlântico.

Chegámos lá cedo porque não sabíamos como iria ser a entrada. Ainda por cima os lugares no balcão não tinham lugar marcado. Tudo correu bem e sem stress…
Lá ouvimos as suas palavras. Ouvimos mal porque a acústica não era das melhores. Entre as palavras do discurso do Dalai Lama e a tradução lá conseguimos entender alguma coisa.
E a sua mensagem está recheada de compaixão.
Doseado de um humor QB, surge-nos um monge bem disposto, com um sorriso cativante que desarma qualquer um.
É a prova viva de que uma batalha também pode ser ganha sem recorrer ao uso da força.
Muito se falou sobre as pressões da China e dos alto políticos portugueses o não terem recebido. De certeza que o DL está acima de todas essas lutas políticas. A sua mensagem é simples e trás esperança num futuro bem melhor que está ao nosso alcance. Talvez os políticos se entretanham com essas coisas pequenas. Mas quem deseja marcar a diferença sabe que terá que percorrer outro caminho 😉

Durante a palestra ainda namorei e fiz algumas massagens a quem apareceu no meu caminho… A quem tornou este caminho bem mais agradável de percorrer… eLe de quem eu gosto muito e quero agradecer a sua companhia!

Anúncios